Autoestima baixa?

Não é raro ouvir mulheres falarem que não estão se sentindo bem. Em alguns casos, o sentimento de negação pela aparência pode ser por conta de um cabelo que não possui a atenção necessária. De acordo com uma pesquisa feita em 2017 pelo Instituto Sophia Mind, empresa voltada para pesquisa e inteligência do mercado feminino, cerca de 37% das mulheres brasileiras estão insatisfeitas com seu cabelo. No mesmo cenário, a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), realizou uma pesquisa em 2018 que fala sobre a pressão que mulheres sofrem com os cabelos, iniciada muitas vezes na infância. Tal cenário pode ocasionar uma grande emboscada com procedimentos de alisamento em busca pela tão sonhada autoestima.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O hairstylist e visagista Bruno Oliver acha que o motivo da grande procura por alisamentos é a maior praticidade e comodidade com os fios.

“A procura por progressivas se resume a uma comodidade por parte da mulher. Acordar e dormir de cabelos lisos sem ter nenhum trabalho no dia seguinte é algo cativador, mas que pode acarretar danos posteriores, principalmente se a moça possui mechas no cabelo. A mulher pode escolher entre ser loira ou ter os fios lisos, mas jamais os dois juntos. A prática de alisar o cabelo quimicamente adicionada à química das mechas faz com que o cabelo fique fraco, opaco e pobre de nutrientes”, alerta Bruno.

Encontrar em si o amor verdadeiro é difícil. A rotina pesada e desgastante da maioria das mulheres brasileiras é prova disso. Geralmente, não sobra muito tempo para pensar em se cuidar, principalmente quando o assunto é cabelo e, por conta disso, Bruno acha que a melhor alternativa é tirar um tempinho para usar óleos capilares.

“O óleo além de não ser tão caro tem um benefício gigantesco. Ele traz de volta o brilho e a água dos fios de uma forma sem igual. Outra dica para aquelas que querem melhorar a aparência do cabelo é maneirar nas ferramentas térmicas, como chapinha e babyliss. A curto prazo elas não danificam os fios, mas se usadas todos os dias, o cabelo pode sofrer danos irreversíveis”, fala o especialista.

Outro tratamento que está em alta é o cronograma capilar. Não se engane, muitas mulheres acham que só quem pode fazer o cronograma são aquelas que possuem cabelos cacheados e crespos que ficaram muito tempo nas mãos da química e agora decidiram assumir os fios naturais. O hairstylist fala que o cronograma pode trazer de volta o cabelo forte e com brilho.

“O cronograma capilar se resume em três fases: hidratação, nutrição e reconstrução. O processo é feito com produtos específicos para cada tipo de cabelo, provando mais ainda sua eficácia. De fato, o cronograma pode salvar a vida dos fios.”, diz o hairstylist.

A dica de agora é para aquelas que estão infelizes com a quantidade de volume nos cabelos e não querem deixar as químicas de alisamento para trás.

“A dica para mudar o visual de mulheres com muito volume e que fazem progressiva, selante e outros procedimentos de alisamento, é fazer um castanho iluminado, com avaliação prévia, já que não agride tanto os fios e permite que a mulher faça o alisamento sem peso na consciência”, conclui Bruno.

Serviço:

Oliver Salon – Brasília

Instagram: @brunoliversalon

www.facebook.com/Oliversalonbsb/