Mochilas com excesso

Mochilas com excesso…

Especialista faz alerta sobre a necessidade de supervisão do conteúdo e dá dicas para evitar a questão.

Mochilas pesadas? Situação corriqueira nas escolas, que afetam crianças e adolescentes e podem causar problemas como: escoliose, hiperlordose, hipercifose, dores articulares, dores musculares paravertebrais (dor no pescoço, dor no meio das costas, dor lombar) são alguns dos problemas que o excesso de peso nas mochilas escolares pode causar nas crianças.

Com o retorno das aulas, após o período de férias é preciso ficar atento à quantidade de itens que são guardados nos compartimentos e carregados pelos alunos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBTO), o peso ideal das mochilas não pode ultrapassar 10% do peso corporal da criança. Sendo assim, se a criança pesa 30 quilos, a mochila deve pesar no máximo cerca de três quilos.

Exceder o volume pode sobrecarregar a coluna, promover má postura e até prejudicar a formação óssea do estudante ao longo dos anos. Para o especialista da Rede D’Or São Luiz em Brasília, Breno Frota é indispensável a supervisão dos pais ou responsáveis sobre o que o aluno leva para a escola e também o tamanho das mochilas. As lancheiras e pastas carregadas nas mãos também devem ser observadas.

“A mochila ideal deve ter alças largas, acolchoadas, as tiras ajustáveis nos ombros, acolchoado na parte de trás e divisões de compartimentos no interior para que itens mais pesados possam ficar contra as costas da criança ou adolescente. Com o correto ajuste das alças, a parte inferior da mochila, quando cheia, deve ficar aproximadamente na linha da cintura, no máximo 0,5 centímetros abaixo. Além disso, mochilas nunca devem ser usadas em um só ombro”, alerta o ortopedista. E completa: “pastas e lancheiras devem ser carregadas junto ao corpo, de preferência na frente seguradas pelas duas mãos para ter um melhor equilíbrio e contrabalancear com a mochila que o aluno carrega”, finaliza.

Conheça os problemas que o excesso de peso pode causar: Mochilas com excesso

Escoliose – desvio da coluna em forma de “S” quando a pessoa é vista de frente, pode ocorrer quando se usa a mochila pesada somente com uma das alças, causando dor na musculatura da coluna.

Hiperlordose – é um aumento da curvatura normal que temos na região lombar, acontece porque o peso excessivo da mochila “puxa” a pessoa para trás, causando um maior tensionamento da musculatura paravertebral e com isso, dor.

Hipercifose – é um aumento da curvatura do meio das costas, como a mochila pesada “puxa” o estudante para trás, o mecanismo de compensação será de projetar os ombros e a cabeça para frente, causando dor no pescoço e ombros.

Dores articulares ou em membros superiores ou inferiores – podem aparecer decorrentes de uma má postura da coluna vertebral e sobrepeso da mochila (peso corporal + mochila), sobrecarregando articulações ou também por pressão maior sobre os discos intervertebrais (funcionam como amortecedores da coluna) que podem comprimir um ou mais nervos responsáveis pela inervação de braços e pernas, gerando dor.

Dores musculares paravertebrais – o excesso de peso da mochila e a forma incorreta de carregá-la interferem no equilíbrio da musculatura paravertebral (músculos ao redor da coluna) sobrecarregando esses músculos, que, no caso do pescoço, podem causar torcicolo, no meio das costas a dorsalgia, e na região lombar, a lombalgia.

 

Dicas para evitar os problemas:

  1. – Verifique o tamanho e o modelo da mochila de acordo com o tamanho da criança;
  2. – Procure comprar mochilas que passem por órgãos de qualificação que atestem sua segurança;
  3. – Evite o sobrepeso das mochilas com itens desnecessários e ou duplique os materiais que não são de uso recorrente;
  4. – Caso seja preciso carregar dentro da mochila um peso superior ao recomendado, também poderão ser utilizadas as mochilas de rodinhas. Mas atenção: a alça não deve ser nem maior nem menor que a altura do braço estendido do estudante, além disso, é aconselhável alternar os braços a cada dez minutos, evitando, assim, o esforço excessivo;
  5. – Organize os materiais mais pesados no fundo da mochila, no compartimento mais próximo as costas da criança ou adolescente e certifique-se que os cadernos e livros estão alinhados para evitar “desequilíbrio” nas costas;
  6. – Se a criança manifestar algum incômodo e ou dor muscular, fique atento e certifique-se de levá-la ao médico pediatra ou especialista para saber a origem do desconforto.