Doação de órgãos

Doação de Órgãos…

O médico cirurgião geral Igor Vieira, da Aliança Instituto de Oncologia explica como ser um doador, os principais riscos e obstáculos para a doação

Nesta quinta-feira (27/09) é lembrado o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos. A data foi criada para conscientizar a população sobre a importância da ação, que visa salvar a vida de milhares de pessoas.

Igor Vieira, médico cirurgião geral com especialidade no aparelho digestivo da Aliança Instituto de Oncologia, explica que há dois tipos de doador: o vivo, que pode doar pulmão, rim, parte do fígado e medula óssea; e o cadáver, que doa as duas córneas, os dois pulmões, o coração o fígado, os dois rins, o pâncreas, o intestino e a até a pele. De acordo com ele, em média 35 mil pessoas estão na lista de espera para transplante, por falha de algum desses órgãos.

O médico aponta que é de extrema importância comunicar os familiares, sobre o desejo de doar órgãos, ainda em vida. “Não precisa assinar papel nenhum, nem colocar na identidade. Mas a família tem que saber, pois ela é que toma a decisão de doar os órgãos quando o paciente tem morte cerebral”, comenta.

Mas e os riscos?

Vieira aponta que a taxa de rejeição de doação no Brasil é de cerca de 40% dos pacientes com morte cerebral. A nível mundial, esse índice cai para 25%. Segundo o médico o maior problema é a falta de informação sobre a morte cerebral.

Ele relata que muitas famílias não acreditam que o paciente faleceu, pois os órgãos continuam funcionando, mas não há nenhuma atividade cerebral. A falta de informação também é um grande obstáculo para a doação de órgãos.

“Os familiares têm medo de não poder enterrar o ente querido ou ainda de não poder fazer funeral com caixão aberto. Além de não concordarem com o diagnóstico de morte cerebral, que ocorre quando não há mais nenhum tipo de atividade cerebral, mas os outros órgãos funcionam normalmente por um tempo”, destaca.

 

Em casos de doação em vida, o especialista garante que as complicações são raras, pois muitos exames são pedidos. “Quem faz esse tipo de transplante seleciona os doadores com muita cautela”, assegura Vieira.